domingo, 16 de maio de 2010

Teu Porto

Se estás com raiva: vamos, mostra isso!
Todo este barulho não me impressiona.
Podes fazer as ondas que quiseres
Eu sei que não vou sair daqui.

E, além, me empurrar com todo teu vento
Que te abraço e sei que precisas de mim.
Precisas de mim pois não tens esperança
Não tens mais pedra pra te agarrar.

E talvez eu te de segurança
Um porto onde sabes que vais descansar.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Passarinho

Hoje, ao passar pelo gramado,
Colhi duas flores
Tão belas, tão rosas
Tão inusitadas fora da primavera.

Agora, ao vê-las murchas
No copo com água
Onde as sepultei
Me sinto mais humana do que nunca.

Pois o homem não tem delicadeza
Para apreciar as flores
Sem arrancá-las
Ou a vida
Sem dominá-la.