terça-feira, 6 de julho de 2010

Má Educação

"Bom dia", ele disse,
Mas não senti sinceridade.
Ninguém sentiu.

Já era tempo dele notar
Que seu teatro fora desvendado
E suas falas decoradas
Não desciam nossas gargantas.

O mestre achava que poderia fingir
Quando nós somos feitos
Inteiramente de sentir.

E o intelecto que tentava,
Sem muita glória, nos passar
Já não era aprendizado
Era só um decorar.

7 comentários:

  1. Tive a honra de ouvir essa poesia quando ela era ainda um rascunho numa folha de papel amarrotada! Estou cada vez mais abismado com a tua evolução poética, Gabi! Parabéns lagartixa! Sou teu fã mesmo! Beijos :D

    ResponderExcluir
  2. Muito massa a poesia, Gabi! Adorei o último parágrafo!
    beeijo

    ResponderExcluir
  3. Não podia deixar de comentar nessa néé? heheh
    Demaaais, Gabii!

    O mestre achava que poderia fingir
    Quando nós somos feitos
    Inteiramente de sentir.

    É... :P

    ResponderExcluir
  4. Quee legaal Gabi! Adoreei, parabéns!! beijos

    ResponderExcluir
  5. Por essas e outras que me casarei contigo ;)
    ASPAOSEK
    e finalmente o caderno de química me serviu para alguma coisa !
    Beijo Gabi !

    ResponderExcluir
  6. Nossa Gabriela! Super lindo!tá de parabééns :D estou
    te seguindo! beijinhos

    ResponderExcluir
  7. ui! rezarei veementemente essa noite, para não ser objeto dessa poesia! ah... viu? comentei! ;)

    ResponderExcluir