terça-feira, 24 de maio de 2011

Monumento aos quatro cinco

No chafariz da nossa praça,
água já não tem...

Sentamos, então, em suas bordas
E, para que não se sinta vazio,
O enchemos de planos e sonhos
Mais altos que o interior.

O monumento visual se torna inútil
Assim, tão útil para nossa voz
Um lugar, um coliseu, um teatro
Quem transborda toda vida somos nós.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Sala

Meu amor vai passar na TV
Meu amor vai passar na TV
Eu olho, ele não vê...
Espero que sinta.

terça-feira, 10 de maio de 2011

O Trem

No porto se ouve o trem que vem gritando aos sete ventos
Enfurecido nos trilhos que rondam a cidadela
E, assim, os novos e os velhos,
Os estudantes, os trabalhadores,
Os que acordam, os que sonham,
Os que o temem, os que o amam,
Os que vivem e os que morrem
Pensam em uníssono:
"Lá vem o trem, sempre ele vem,
para dizer que já é hora de agir...
Devo mudar?".