domingo, 1 de fevereiro de 2015

Saudade

Amor meu,
quando tu partes a saudade
é maior que tudo.

Vejo a saudade escorrer por minhas paredes,
Sinto-a entrar em minha pele,
Habitar meu peito
em forma de vazio.

A saudade como uma fisgada
que finca sempre quando me mexo.
Algum órgão infeccionado.

A saudade a me lembrar
de ti
plenamente.

Tua presença constante,
A sensação de ti,
A saudade.

Saudade que me faz escrever-te
um poema de amor,
Sentir-me tola
- ou não,
pois um poema de saudade.

A saudade é esta coisa masoquista
que me mantém
apaixonada
ao me torturar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário